quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Estrela Cadente

1


Enquanto caminhavam sob a luz do luar, eles olhavam para o horizonte noturno. Era uma visão singular, mesmo naquele lugar. Cercado por uma terra de concreto e iluminando um mar de metal o céu encontrava-se especialmente belo. Talvez fosse esse brilho da cidade ou mesmo a luzes refletidas nas tênues nuvens que perambulavam pelo ar, mas as feições daquela pequena guria incrivelmente atraentes, mesmo para um garoto como ele.
O suor escoria pelo lado do rosto enquanto ele engolia a seco um pouco de saliva.. estava nervoso, ansioso, com medo, com coragem.. e embebido em um vórtice de emoções chamado amor.
Ela não era a garota mais bonita da cidade, nem a mais inteligente ou atlética. Mas era tudo o que o garoto em seus ingênuos 11 anos queria. E aquele sorriso, aquela forma como sorria para ele, deixando-o desconcertado e sem jeito, exatamente como fazia agora o deixava ao mesmo tempo confiante e temeroso.
-Olhe, lá no céu! Gritou a garota magricela de cabelos encaracolados enquanto apontava para o céu envolvida numa alegria extasiante.
-O que? Indagava o garoto robusto parecendo de certa forma bobo e engraçado, ao menos aos olhos dela..
Foi então que ela desceu e chegou mais perto dele, e disse com aquele sorriso desconcertante: - Uma estrela cadente!
Surpreso com toda aquela alegria , ele se perguntava o porquê daquela felicidade, daquela emoção toda que ela demonstrava. Percebendo que seu amigo não entendera o motivo de seu gozo, a mesma virou-se e olhando para a lua que aparecia em meio as ondas de fumaça e nuvens começou a falar.
-Você deve me achar louca não é? Não se preocupe com isso.. acho que todos na escola acham que sou. Talvez isso seja verdade, mas mesmo assim eu ainda gostaria de viver minha vida ao máximo, aproveitar cada momento, cada gota de chuva que cai no meu vestido quando volto para casa, cada arranhão quando caio da bicicleta, cada abraço da minha mãe, como se fosse o ultimo fôlego de uma estrela.
Então ele a interrompe com uma frase que surpreende a ambos: -Eu não acho você louca.. apenas diferente. E talvez fosse essa diferença que o atraia tanto.
-Então eu vou contar uma historia pra você, foi meu avô quem me contou, antes de morrer, e até hoje eu não contei a ninguém. Foi enquanto que ele parou de ofegar por um momento e quase prendeu a respiração enquanto prestava atenção nas palavras dela:
-Ele me contou que a vida é como uma estrelas cadente riscando o negro céu em meio a tantas outras estrelas e astros, iluminando por uma pequena fração de segundo e dando aos corações das pessoas esperança, que se não aproveitarmos ao máximo, cada momento como se fosse único, quando se percebe, ela já passou.
Foi então que ele se aproximou dela e a surpreendeu fazendo com que suas cabeças colidissem.
-Ai, por que você fez isso? Reclamava a garota magrela enquanto coçava a cabeça.
-Me..me desculpe.. acho que me empolguei com essa historia de estrelas cadentes.. falava o garoto envergonhado, enquanto demonstrava dor na cabeça.
Foi então que pra sua surpresa a garota deu um beijo na sua testa, depois afastou-se sorriu e falou: – Meu avô também me disse que um beijo cura qualquer machucado.
O garoto então ficou pasmo por um instante, depois levantou-se e começou a sorri. Ela então perguntou o porquê daquele sorriso. Ele respondeu olhando nos olhos dela.
-Acabei de ver uma estrela cadente.

Comentários
1 Comentários

1 comentários:

Andreia disse...

Os sonhos da inocência é o melhor de toda nossa rápida vida.

Postar um comentário

 
Design by ThemeShift | Bloggerized by Lasantha - Free Blogger Templates | Best Web Hosting

Licença Creative Commons
Contos Perpétuos is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.