terça-feira, 1 de março de 2011

Penas Eternas - Parte 2

1

O manto da noite começava a descer sob o céu. Eu apenas a observava em silêncio, quase como se não estivesse ali, como se esperasse alguma coisa, o momento certo. Vendo o suor escorrer por sua pele pálida, seus cabelos negros balançarem ao vento, seu vestido amarelo combinando com o laço que amarrava seu cabelo.

Tão jovem e tão cheia de vida. No auge das suas seis primaveras, Amanda era uma criança que se destacava entre as demais. Não por possuir capacidades excepcionais, ou mesmo a falta delas. Mas porque seu olha era diferente, era quase como se ela me encarasse.

E então o momento se aproximava.

Em dois segundos um homem a minha direita cumprimentaria seu amigo. Em dez, uma mulher gorda atenderia um telefone de sua filha que estaria para da à luz. Em quatorze uma jovem se abaixaria para amarrar seus sapatos e um adolescente atrasado para um encontro esbarraria nela e cairia por cima de um casal. Assim nenhum deles atravessaria aquela rua, apenas aquela que eu espero.

O sinal abre, a duas quadras um motorista descuidado murmura sobre está atrasado para um casamento e avança o sinal. Poucos metros, poucos instantes. A fita do cabelo dela cai no chão, e naturalmente ela se abaixa para apanhar, quando, na hora exata o motorista chega e eu me preparo para concluir meu trabalho.

Mas não aconteceu conforme estava escrito.

Uma mulher, que não estava em minha lista pulou na direção de Amanda, a empurrando. Um ato corajoso, uma vida perdida, um destino mudado. Fato incomum, mas não único. Outras vezes durantes as eras a imprevisibilidade do homem já alterará meu curso. Eu podia ceifar vidas e destruir cidades, mas o homem tinha algo muito mais poderoso. O livre arbítrio.

Um presente de Deus que apenas a eles foi concebido. Nem nós, suas mão tínhamos essa liberdade. Com meu trabalho interrompido eu deveria apenas partir, levando a alma desta jovem no lugar da de Amanda, mas algo me impedia.

Havia alguma coisa naquela garota. A maneira como seu corpo olhava em minha direção... era perturbador. Como se seus olhos suplicassem por ajuda, agarrando-se cada sopro de vida, e eu não entendia o porquê.

...

Trinta e sete minutos haviam se passado, e eu ainda estava lá, ao seu lado. A sala branca, cercada de homens e mulheres, um deles, um ancião preparava-se para executar uma cirurgia. Mais um esforço inútil, a minha presença na sala era a única coisa que impedia que seu espírito se desvinculasse do corpo. E mesmo assim, no momento que eu desaparecesse, ela me acompanharia pela “trilha”.

Por que os humanos se apegam tanto a isso que eles chamam de vida?

E por que eu ainda queria descobrir aquilo? Será por pena? Curiosidade? Eu desejava conhecer o significado daquelas respostas e então pela primeira vez desde a minha existência, não cumpri minha função e permiti a aquela alma permanecer mais tempo em seu corpo, até que eu encontrasse minhas respostas.

E eu encontraria.

Comentários
1 Comentários

1 comentários:

Grey disse...

O rumo do conto me agrada por demais. Tanto que fiz analogias inevitáveis com "A Batalha do Apocalipse" e o fantástico "Cidade dos Anjos". Continue OD, preciso relembrar que minha atenção já é sua?

Postar um comentário

 
Design by ThemeShift | Bloggerized by Lasantha - Free Blogger Templates | Best Web Hosting

Licença Creative Commons
Contos Perpétuos is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.