sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Penas Eternas - Parte I

4




Capitulo I: A quele que não sentia nada
Não sinto nada.

O mar banha minhas pernas, o sol esquenta o meu rosto e o vento balança os longos fios de meu cabelo, mesmo assim não sentia nada.


Subi a praia, caminhando por metros, kilômetros, não sei. Nada daquilo parecia realmente longe, tudo estava a poucos instantes, a poucos passos. Conforme andava, meus passos leves não deixavam nenhum traço de que estive la, corpos passavam por mim, como se eu fosse nada alem de um pensamento, era como se eu não existisse, como se eu não fosse nada.

O sol já estava acordado, e bem vigoroso. Conforme caminhava, a cidade ia ficando cada vez maior, dezenas, talvez centenas de milhares de pessoas movendo-se aleatoriamente num cenário cinza. Ovelhas sem rumo vagando num pasto de metal, procurando algum alimento para seu corpo, e alguns, para sua alma. A minha função era guia-las ao seu pastor. Guia-las ao seu descanso eterno.

Minha existência era algo ao mesmo tempo complexo e simples. Eu existia alem tempo e espaço, podendo percorrer o mundo em um instante, saber o onde deveria estar, e quando, e as vezes em vários locais ao mesmo tempo. Mesmo assim, eu apenas existia. Estava la, como sempre estivera, desde que fui criado.

Naquela manha de sábado, haviam se passado pouco mais de um instante, e eu já havia levado mais de 10 almas, não era um trabalho que me orgulhava e nem que repudiasse, que gostasse ou tão pouco sentisse desprazer ao fazê-lo, simplesmente o fazia, como era e como deveria ser, esse era o meu destino, o propósito para o qual fui criado, uma mera ferramenta da vontade divina.

...


Já era tarde, o sol começava a se por e havia ainda uma vida que deveria por ventura, ceifar naquele crepúsculo vermelho.

Seu nome era Amanda. Mais uma pessoa comum, pela qual não sentia afeição o desafeto, pois eu não sentia nada.

Comentários
4 Comentários

4 comentários:

OD disse...

Link Para o Prologo: http://contosperpetuos.blogspot.com/2011/02/penas-eternas-parte-0.html

camis . disse...

Vai demorar a continuação, ?

OD disse...

Cara Camis, e prezados leitores. Gostaria de dizer que a continuação está quase pronta, faltando apenas revisão. Amanha, ou no máximo quarta estarei postando ela para seu deleite.

Grey disse...

"Ovelhas sem rumo vagando num pasto de metal"
Como essa definição me encanta! =}

Postar um comentário

 
Design by ThemeShift | Bloggerized by Lasantha - Free Blogger Templates | Best Web Hosting

Licença Creative Commons
Contos Perpétuos is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.