sábado, 1 de janeiro de 2011

Aparição

11

Essa estória se passa em 2002, tinha 15 anos, todos os fatos aqui são verídicos e os nomes das pessoas foram trocados para preservar suas identidades.

Minha casa foi uma das primeiras do bairro, casa velha, grande e normalmente escura à noite. Aquela casa dava muito medo a minha prima ela por vezes viu algumas coisas estranhas pela casa como, por exemplo, uma vez ela jurou que viu um homem em pé no quintal (Eu simplesmente ria quando ela me contava essas coisas).

Gostava de sentar na calçada da casa e ligar o som para conversar com o pessoal. Uma noite, estavam Kildari, Alan e eu escutando Nightwish (Banda que até hoje gostamos), não havia ninguém em casa todos tinham saído para um casamento. O pessoal começou a ficar com fome e como eu era o “Anfitrião” da vez tive que ir pegar algo.

Entrando na casa as luzes estavam todas apagadas, nunca fui de ter medo do escuro, fui entrando passando pela sala com as luzes desligadas, nesse momento senti uma presença como se algo estivesse me seguindo e estava exatamente nas minhas costas eu podia sentir. (Deve ser um daqueles malucos, pensei).

Hesitei um pouco para olhar para traz, mas tomei coragem e virei de uma vez, mas nada havia lá. (Seria impressão minha?) Parei uns segundos apreciando o escuro (com certeza não é nada, pensei outra vez) virei devagar para frente (Esperando que algo acontecesse talvez) e dei um passo, dai senti naquele momento um calafrio que me deixou apavorado. Apertei o passo e continuei para a cozinha, acendi a luz, peguei a primeira coisa que vi na geladeira e voltei para o pessoal com um passo ainda mais apressado, ao passo que me dirigia à entrada da casa a angustia e os calafrios que senti antes estavam aumentando e eu não gostava disso. Cheguei ao encontro dos meus amigos, as sensações passaram e continuamos a conversa descontraída. Estava rindo com eles, mas estava mais atento ao interior da casa, algo não estava me deixando ficar calmo (o que teria lá dentro?). Passaram-se algumas horas até que Alan sugeriu que fosse pegar outro CD. Fiquei meio relutante, talvez por medo do acontecido anteriormente ou por preguiça mesmo, mas acho que foi pela primeira opção. Bem não tive chance tive que entrar na casa escura e vazia outra vez... Dessa vez fui em direção ao meu quarto que ficava no ultimo cômodo da casa. No caminho fui acendendo todas as luzes da casa até chegar ao corredor que levava ao meu quarto um corredor longo e escuro... Até ai tudo bem nada de estranho.

A luz chegava fraca ali mesmo acendendo todas as luzes da casa. O corredor parecia ainda mais amedrontador do que de costume (Como nunca percebi que esse lugar era tão assustador?) e foi nesse momento que vi aquela coisa, um vulto escuro, parecido com uma pessoa virada olhando para dentro do meu quarto. Não parecia ser humano, mas também não parecia ser sombra de algum móvel. Fiquei sem reação não sabia o que fazer. Olhei fixamente para ele, fiquei parado uns 30 segundos (Droga aquilo estava me deixando maluco) ele parecia ofegar como se estivesse respirando (Não conseguia ouvir, mas era isso que sua linguagem corporal falava) até que ele começou a se mexer em direção ao interior do meu quarto, queria entrar em pânico, sair correndo, gritar que nem um louco, mas acho que minha curiosidade foi maior e esperei até que ele entrasse. Daí eu esperei mais 10 segundos (Talvez em estado de choque) e fui devagar direto a porta do quarto contando meus passos e coloquei apenas meu braço para dentro do quarto procurando pelo interruptor.

Liguei a luz... Virei meu olhar para dentro do quarto e...

Para o meu espanto estava tudo no lugar, minha mesa estava como deixei cheia de cadernos, minha cama arrumada, a janela estava fechada com tranca, tudo como vi da ultima vez, parecia que ninguém tinha entrado ali além de mim. Peguei o CD em cima da mesa e voltei para o pessoal com o passo apressado.

E naquela noite senti mais uma vez os calafrios...

Comentários
11 Comentários

11 comentários:

Anônimo disse...

isso se chama
beck

Deneb disse...

Pessoal quem está visitando o Blog agora pela primeira vez pode visitar os outros Contos, talvez eles também chamem sua atenção(ou não). Voltem Sempre.

Fernanda disse...

Gostei do Post! Já pensou em divulgar também no www.plik.com.br ?

Deneb disse...

"Fernanda disse...

Gostei do Post! Já pensou em divulgar também no www.plik.com.br ?"

Não conhecia essa ferramenta com certeza usarei. Valeu pela dica!

rEd disse...

Lembro de tu contando isso no ônibus ou algo nessa mesma linha hahah

Tenso.

Tudo que há de bom disse...

Dorgas Manollo

Deneb disse...

É só uma ficção não leve a sério meu caro.

Andreia disse...

Amei, tudo parece tão real.Por conta de vcs me prenderem com estes contos perfeitos queimei o arroz de novo.Ainda bem, que não sou casada!

Deneb disse...

@Andreia Obrigado pelo elogio. Ainda temos muito que evoluir, mas nos esforçamos para sempre fazer o melhor. Cuidado, para não se machucar da próxima.

Juliana disse...

¬_¬' esse suspense tudo e não aconteceu nada??!
xD

Deneb disse...

haha só um texto "troll" =]

Postar um comentário

 
Design by ThemeShift | Bloggerized by Lasantha - Free Blogger Templates | Best Web Hosting

Licença Creative Commons
Contos Perpétuos is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License.